A Fórmula 1 verde. Para inglês ver.

A Fórmula 1 verde. Para inglês ver.

Vettel

Mesmo que você seja daqueles que deixou de assistir a Fórmula 1 quando o Senna morreu, vale fazer um esforcinho e assistir ao menos ao grande prêmio do Brasil desse ano.  Porque quando o Vettel vencer aquela corrida (duvida?) e desligarem os motores terá sido a última vez que você ouvirá o icônico som de motor que caracterizou a Fórmula 1 nas últimas décadas.

Os motores usados até essa temporada eram do tipo V8 com 3000cc e podiam rodar até 18000 RPM (tem limitador, mas já os vi indo a 21000 RPM).  Serão substituídos por V6 turbo com 1600cc (quase o motor do Hyundai Azera).  Na prática, o que você vai sentir é que isso:

Se transformará nisso:

Saem roncos de verdade, entram batedeiras.  A ideia com essa mudança é que a Fórmula 1 se torne um esporte mais verde, uma vez que, no mundo atual carros são vilões, os mais mimizentos querem que andemos de bicicleta e como um carro é um bebedor de gasolina e emissor de CO2, além de causador de engarrafamentos, coloquemos toda a culpa dos males do mundo nos carros.  Mesmo que sejam carros de corrida.

Ao adotar motores menores, a Fórmula 1 espera principalmente reduzir suas emissões de carbono na atmosfera.  Isso é lindo, eu gosto de iniciativas para reduzir emissões, para uso sustentável dos recursos naturais, da racionalidade no uso dos bens, mas sou contra a hipocrisia.  Será que o quanto que esses carros de Fórmula 1 deixarão de emitir é relevante?

Sempre que você precisar avaliar as coisas, tente usar números.  Vamos estimar as emissões da Fórmula 1 hoje e comparar com outra fonte poluidora ligada a logística da categoria e ver se as emissões dos carros são realmente relevantes:

Como estamos estimando e não temos muitos dados exatos sobre esses motores, ficaremos no mundo das galinhas esféricas no vácuo.  Isso significa que lançaremos as seguintes hipóteses:

  • Carros de Fórmula 1 são movidos a gasolina e essa gasolina é 100% iso-octano. Esse negócio aqui:

Iso octano

  • A combustão dos motores é completa.  Isso aqui:

 C8H18 + 50N2+12,5O2 –> 8CO2 + 50N2 + 9H2O

  • A temporada é a de 2013, com 19 corridas.  O tanque de um F1 leva 250 litros e, para treinos livres, classificação e corrida, assumiremos que cada carro consumirá 4 tanques (1000L);
  • Correm 22 carros;
  • As diferenças na massa de combustível em função de temperatura são desprezíveis.  Portanto a massa específica da gasolina é constante e igual a 0,75kg/L.

Esse tipo de coisa é importante porque senão seria impossível estabelecermos um modelo para as emissões da F1.  Precisaríamos de um monte de informações, muitas das quais são sigilosas, afinal se você for a Maranello e perguntar quanto o motor deles consome, você ganhará um belo par de sapatos de concreto italianos.

Dessa forma, cada carro, por grande prêmio queimará um total de 750 kg de gasolina.  Queimando essa gasolina, cada carro irá jogar na atmosfera aproximadamente 2315 kg de dióxido de carbono por grande prêmio.  Ao final da temporada, esse carro terá emitido 46315 kg de CO2.  Todos os carros da Fórmula 1 terão jogados na atmosfera então quase 1020 toneladas de gás carbônico.  Parece muito?  Depende do parâmetro.

Quando a Fórmula 1 viaja para fora do continente europeu, o que tem sido cada vez mais frequente, todas a sua infra estrutura e equipamentos, inclusive carros, que acostumamos a chamar de “circo” viaja por via aérea.  Grandes aviões cargueiros são utilizados para transportar toda a parafernália para os demais continentes do mundo.  Quanto será que um avião desses jogará de gás estufa?  Vamos lançar as hipóteses:

  • Combustível do avião – Querosene de aviação – C12H16;
  • Densidade do Querosene:  0,775kg/l
  • Combustão completa;

C12H16 + 64N2 + 16O2 –> 12CO2 + 64N2 + 8H2O

  • O avião é um Boeing 747-400, na perna Dubai (Emirados Árabes) – Austin (Texas, EUA).  Consumo da aeronave:  15800 L/h;
  • Tempo de voo:  18 horas.

Fazendo as contas, descobrimos que esse Boeing irá emitir mais ou menos 727 toneladas de CO2 na atmosfera.  Considere que é impossível levar todo o equipamento em apenas uma aeronave, portanto acrescente mais um Boeing e o transporte do equipamento entre apenas duas etapas do calendário já joga na atmosfera mais do que os carros jogam durante todas as atividades de pista da temporada.

Sim eu sei que o cálculo está relativamente grosseiro.  Lembre-se, galinhas esféricas no vácuo.  Para refinar os números precisaríamos de mais detalhes sobre o consumo do Boeing, mas lembre-se que esse número provavelmente será maior porque ele não tem alcance para cumprir esse voo, terá que fazer uma escala, o que significa mais uma decolagem, ocasião em que a aeronave mais consome, além do taxi, um grande desperdiçador de combustível.

Portanto a Fórmula 1 ao fazer esse downsing apenas joga para a torcida.  Faz tempo que a categoria deixou de ser laboratório para o desenvolvimento de tecnologia para a indústria automobilística.  Esse posto hoje cabe aos carros de Endurance (que correm nas 24 de Le Mans).  Se o circo do tio Bernie quisesse realmente reduzir suas emissões, mexeria no calendário, colocando menos provas, racionalizando a logística e principalmente retirando corridas na Ásia onde o transporte aéreo fica obrigatório, ninguém gosta das pistas novas de lá (essa de Yas Marina mesmo é linda, mas proporciona corridas horríveis).  No entanto, o interesse maior dos dirigentes da categoria é dinheiro e isso os asiáticos tem, os europeus não.

Agindo dessa forma, a Fórmula 1 apenas se comporta como aquela patricinha que desliga as luzes da casa na hora do planeta, mas após um banho de 40 minutos coloca o ar condicionado no máximo a noite toda para dormir debaixo do edredom.  Ou seja, hipocrisia pura.

Fontes:

  • Boeing;
  • Site Grande Prêmio;
  • Petrobrás;
  • Microsoft Flight Simulator;

Leia Também:

Anúncios

Sobre Fernando Vieira

Engenheiro Mecânico. Trabalha no Rio mas mora em Petrópolis. Fez esse blog, pra comentar sobre tudo um pouco mesmo sem entender de nada.
Esse post foi publicado em Esportes, Posts técnicos e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para A Fórmula 1 verde. Para inglês ver.

  1. Glaucio disse:


    Figura da fórmula da gasolina errada CH2 ligado a dois CH3 e um CH2 -> impossível!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s