A última chance para Aécio Presidente

Dilma x Aécio

Quatro anos atrás, quando da primeira eleição de Dilma e da primeira eleição da vida deste blog, resolvi por curiosidade avaliar se o resultado das eleições seria diferente caso a nossa regra fosse a regra dos EUA.  Em 2010 nada mudaria, Dilma seria eleita da mesma forma.  Agora em 2014 a diferença de votos foi muito mais apertada e, obviamente fiquei curioso se dessa vez com as regras americanas haveria alguma diferença no resultado.

Para ser eleito presidente do Brasil, tudo o que você precisa conseguir é a metade mais um dos votos válidos da eleição em todo o país.  Nos EUA você precisa conquistar a maioria dos votos de um colégio eleitoral que é formado por delegados enviados por cada Estado.  Estes delegados votarão no candidato escolhido pelos eleitores daquele estado.

Assim, enquanto no Brasil a chave para se vencer as eleições é conquistar eleitores em todo o território nacional, nos EUA o segredo é vencer nos estados que enviam mais delegados para o Colégio Eleitoral.  Em estados que você sabe que não vai vencer, você pode simplesmente desistir dele e poupar suas forças pois mesmo que ninguém naquele estado vote em você, o número de delegados que ele vai enviar ao Colégio para votar contra você será igual.  No Brasil em um estado como São Paulo você não pode se dar a esse luxo, pois mesmo que perca no estado, você tem que tentar perder do mínimo possível pois o que importa no final é a contagem absoluta de votos.

O sistema americano permite que você vença a eleição tendo menos votos no geral do que seu oponente, como ocorreu com George W. Bush contra Al Gore em 1998.  Já o sistema brasileiro permite que você perca em mais estados que seu adversário, mas vença na eleição geral.  Pessoalmente acho o sistema brasileiro mais correto pois a eleição é nacional e todos os votos acabam tendo o mesmo peso.  Sob o sistema americano, o voto de um paulista valeria mais do que o voto de um acreano.

O número de delegados que cada estado envia é proporcional à população do estado.  Assim estados mais populosos tem mais delegados, estados menos populosos menos.  Mas nunca nenhum estado terá menos que 3 delegados.  Usando o Colégio eleitoral que montei para as eleições de 2010, arredondando o número de delegados para cima, de forma a não termos que dividir pessoas ao meio, teríamos:

Delegados Brasil

 O resultado da eleição foi (vermelho para Dilma e Azul para Aécio):

Resultado Eleições

Cruzando as informações, teríamos esses resultados:

Eleições Resultado tabela

Curiosamente, se usássemos o Colégio Eleitoral, a vantagem de Dilma seria um pouco maior.  Isso é completamente o oposto do que eu esperava.  Dessa vez imaginei que, usando o critério americano, e considerando que Aécio venceu nos estados que fornece o maior número de delegados, ele seria eleito sob essas regras.  Não foi o que houve.

Anúncios

Sobre Fernando Vieira

Engenheiro Mecânico. Trabalha no Rio mas mora em Petrópolis. Fez esse blog, pra comentar sobre tudo um pouco mesmo sem entender de nada.
Esse post foi publicado em Posts técnicos e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s