#CasamentoDoFernando

Tanque

 

Bombei no twitter ontem com essa Hashtag.  Tá, claro que é um exagero, mas enquanto eu estava numa festa de casamento brincando no twitter fiquei conjeturando a respeito de como seria o meu casamento.  Claro que, sendo o meu, tem que ter o meu estilo.  Daí comecei a twittar muita coisa.  Mas como 140 caracteres são muito pouco para escrever tanta besteira, resolvi estender a baboseira para cá.  Com vocês, o pesadelo dos cerimonialistas:  O meu casamento.

Pra começar as músicas da cerimônia.  O tema de entrada do noivo (eu) e dos padrinhos será esse aqui:

O tema de encerramento da cerimônia por sua vez, será esse:

Claro que isso implica contratar uma pequena orquestra e convencer os caras a tocarem isso.  Mas tem a vantagem de que eu duvido que os padres saibam que músicas são essas, de forma que não se incomodarão com a idéia de uso de belos temas orquestrados.

Geralmente o pessoal bola inúmeras estratégias para que menos pessoas que foram à igreja depois irem para a festa (a igreja é de graça, na festa o Buffet cobra por cabeça).  A mais comum é dizer no convite que os noivos receberão os cumprimentos na igreja.  Aí na igreja você divulga e dá os convites só para as pessoas que você quer que vá.

Mas isso é fácil demais!  No casamento do Fernando chegar a festa será mais legal do que aproveitá-la:  Imagine que no convite para a festa ao invés de uma frase bonita, um local e um horário, você encontre a seguinte mensagem:

“Saindo da igreja, contorne a praça e vire a esquerda.  Siga pela rua até a segunda a esquerda.  Entre nesta rua e suba até o largo onde o ônibus faz o ponto final.  Pegue a pista ali”

Aí quando você encontra a pista está lá escrito:

“Em que ano Fernando e Cicrana se conheceram?  A) 2012;  B) 2011;  C) 2013”

Dependendo da resposta cada um caminho te leva para outra pista.  Se você errar, a próxima pista indica que você errou e te manda de volta para esta pergunta.  Se você acertar chega a um ponto com uma nova pergunta e assim sucessivamente até chegar ao local da festa (quem já participou dos legítimos retiros do São Cristóvão sabe como funciona).

A festa terá uma decoração predominante no verde oliva, com detalhes camuflados e será regada a Malt 90 e terá como animadores Marttah Ollyveirah, vencedora do The Voice Brasil X, e a bateria da Vizinha Faladeira.  A Malt 90 será servida em jarras individuais para cada convidado.

As festas possuem agora um telão que fica passando fotos dos noivos.  Manterei essa tradição e o pessoal do cerimonial se vira para o que vai botar para a noiva.  Minhas fotos serão as que eu apareço no estado mais selvagem, quando eu mais pareço um guerrilheiro do que outra coisa.

O Red 5 faz parte da festa, afinal todo mundo vai querer amarrar sua lata no pára-choque (chupa acordo ortográfico).  Para conseguir isso terão que passar pelo meu sistema James Bondiano que fará o carro dar choque em todos que tocá-lo.  Se conseguirem, ou toparem encarar os choques, podem avacalhar o carro a vontade.

Descobri há pouco tempo que é uma tradição darem chinelos de lembrança do casamento.  O ruim é que chinelos lembram folga, relaxar…  Óbvio que eu não darei chinelos no meu casamento.  No seu lugar eu daria coturnos, fazendo uma encomenda a Vulcabrás, no mesmo estilo do Exército.

Eu não me preocupo muito é com a gravata.  É claro que vai ter a venda da gravata.  Preciso recuperar um pouco do prejuízo.  Mas entre os meus convidados estará o melhor pedidor de gravata de todos os tempos:  O Rafael.  Ele é tão chato fazendo isso, que você dará 50 reais só para se livrar dele.

Com relação a trilha sonora, será bastante eclética visando agradar a todo mundo (libero até o Funk), mas não abro mão dos clássicos:  Tem que tocar Elton John no começo da festa e La Bamba no fim.  Ainda estou pensando se dou uma palhinha cantando algumas músicas em especial junto com a banda.  Mas o tema de entrada será esse (perdoem pelas cenas de guerra):

A medida que isso puder acontecer, vou pensar em detalhes mais malucos.  Mas, se eu convidasse você para essa festa, você iria?

Leia Também:

Anúncios

Sobre Fernando Vieira

Engenheiro Mecânico. Trabalha no Rio mas mora em Petrópolis. Fez esse blog, pra comentar sobre tudo um pouco mesmo sem entender de nada.
Esse post foi publicado em Ficção e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para #CasamentoDoFernando

  1. Pingback: Algumas simpatias de São João segundo minha mãe | Blog do Fernando

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s