Repartições públicas

Ontem (29/06/11) fui ao Crea.  Era para ser uma operação extremamente simples:  Fui lá apenas para retirar minha carteirinha definitiva.  Vinha postergando esta atividade, até que ontem passei em frente ao Crea, voltando do almoço, resolvi entrar e retirá-la de uma vez.  Mal sabia a furada que estava embarcando.

O Crea tem um nível de segurança que parece uma instalação militar.  Acho que eles pensam que ali é o palácio Duque de Caxias ou que vai haver um ataque terrorista naquele prédio (mesmo que eles tem dado motivos).  Mas, tudo bem.  Orientado pelo pessoal da recepção, a retirada das carteirinhas é feita em três guichês.  Recebi uma senha.  Beleza, só tinha sete pessoas na minha frente.

Começam os problemas:  Os três guichês não são três, são dois.  O terceiro não sei o que o cara que trabalha ali faz, ele atende as pessoas, mas para outra coisa (mesmo que o setor diga que ali se faz retirada de carteirinhas).  Ficam dois.  Um deles faz atendimento prioritário a idosos.  Sobrou um. E esse um faz a retirada de carteirinhas e a entrada dos pedidos das novas, o que significa preencher formulário, tirar fotos e colher digitais.  gasta-se um tempo médio de 15 minutos para cada um.  Ou seja, para eu ser atendido, uma hora e quarenta e cinco minutos.  Fiquei uma hora e meia, pois o cara do atendimento prioritário conseguiu atender um não prioritário.

Não é que os funcionários ali não trabalham, eles trabalham.  Mas eles são poucos para o que tem a se fazer.  E nós, que não somos funcionários públicos e não temos tempo pra gastar de bobeira, ficamos ali esperando.  Resultado, uma hora e meia da minha vida perdida, terei que compensá-la no trabalho além do estresse.  Procurar a supervisão para reclamar, sem chance.  Eles não estão lá.

Em resumo, o Crea é uma bosta.  Ele tem eficiência ímpar digna dos suíços quando se trata de cobrar anuidades e ARTs.  No que tange a receber, eles são precisos, exigentes, eficientes.  Já no atendimento aos seus filiados…  Bem, eles que esperem.

Aliás, o Crea me serviu para provar minha teoria.  Como saber se uma repartição pública é eficiente:  Se ela tiver um cartaz dizendo que é crime desacatar funcionário público no exercício da função que dá de seis meses a dois anos de cadeia afixado em algum lugar dela, prepare-se.  Você está em uma repartição incompetente.  Não a toa no Crea este cartaz é onipresente, estando praticamente um em cada guichê.

Anúncios

Sobre Fernando Vieira

Engenheiro Mecânico. Trabalha no Rio mas mora em Petrópolis. Fez esse blog, pra comentar sobre tudo um pouco mesmo sem entender de nada.
Esse post foi publicado em Causos e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Repartições públicas

  1. José Carlos disse:

    Concordo, Fernando. Sou engenheiro formado em 1977, aqui em São Paulo. Por 2 vezes o CREA -SP mudou de sede e nas duas vezes enviou cartas acusado dezenas (que eu saiba, podem ter sido milhares) de profissionais de estarem inadimplentes há nos com a incompetente autarquia.
    E coube aos profissionais provarem que estavam em dia com a anuidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s