Esportes e Vida

Gosto muito de esportes.  Adoro acompanhar qualquer coisa.  Acompanho desde o futebol até tênis, Rugby, Baseball…  Mas é claro que uns são mais fascinantes que outros.  O futebol é, sem dúvidas o mais fascinante de todos.  Mas nem é de futebol que quero falar hoje.  Os esportes que vou comentar hoje são mais americanos.

Estava assistindo o filme “Somos Marshall” (We Are Marshall ). Filmes sobre esportes são bem legais também.  Este filme, em algum momento trazia a discussão que, nos esportes, a única coisa que importa, a única coisa que é lembrada é a vitória.  Fiquei pensando sobre isso.

Essa afirmação é verdade até que ponto?  Em esportes e na vida? E quando a sua melhor atuação, seu maior brilhantismo, o seu momento acontece em uma derrota?  Vou dar um exemplo:  Esta semana Brasil e EUA se enfrentaram pelo mundial de Basquete.  Perdemos, claro, mas o Brasil jogou tão esplendorosamente bem, que poderia ter ganho, ficou a frente no placar em grande parte do jogo e perdeu por dois pontos, naquele que foi o melhor jogo da competição até agora.

O basquete é um jogo muito mais coletivo do que o futebol.  Não adianta colocar o Michael Jordan sozinho contra um time de profissionais medianos.  Ele irá perder.  Se dermos ao Jordan uma equipe com mais quatro jogadores ao meu nível, ele continua perdendo.  E no basquete, diferente do futebol, é raro haver zebras.  Vence quem foi melhor em quadra.  O tempo todo.  No caso de Brasil e EUA era impossível determinar isso. Se o basquete tivesse empate, deveria ter sido nesse jogo.

Os próprios jogadores brasileiros reconheceram isso.  Entraram determinados a derrotar os americanos.  Se não conseguiram, não foi por falta de tentativa ou de empenho.  Perderam, mas saíram com a cabeça erguida.

A vida nos prega isso também.  Vencer é o que importa.  Mas e quando não dá?  Muita gente já me disse que eu preciso aprender a perder.  Minha resposta normalmente é que eu preciso aprender é a ganhar porque perder é o que sempre acontece.

Perder é o status normal.  Para perder, embora todas as partidas comecem empatadas, basta entrar em campo.  Mas para vencer, é preciso mais.  É preciso empenho, raça, técnica.  Mas e quando isso tudo não faltou, mas a derrota veio assim mesmo?

É o que mais acontece na vida.  Para vencer mais  um componente é necessário.  A sorte.  Sem ela, muitas vezes acontece isso.  Ter o empenho, a técnica e a raça mas perder em detalhes.  Ter a sorte de que isso não acontecesse.  É normalmente essa que falta.  Principalmente para mim.

Aí, eu acabo não ficando como os jogadores de basquete que perderam para os EUA, mas muito mais para aquele que perdeu quando merecia ganhar, e um detalhe, uma falta de sorte lhe custou a derrota.

A vida infelizmente não é basquete.  É futebol.  Nem sempre o melhor vence.  Um lance de sorte decide tudo e você perde um título sendo o melhor em campo e jogando melhor.  Perder títulos na vida é uma constante.  Ganhá-los são outros 500.

Passei uma parte do fim de semana pensando nisso.  Vendo times medíocres e sem mérito algum ganharem os títulos que você deveria ganhar com seu time esforçado e competente, sendo derrotado por times displicentes e ruins.  Realmente, a vida não é mesmo grata.

Anúncios

Sobre Fernando Vieira

Engenheiro Mecânico. Trabalha no Rio mas mora em Petrópolis. Fez esse blog, pra comentar sobre tudo um pouco mesmo sem entender de nada.
Esse post foi publicado em Esportes, Reflexões e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s