O Red 5 vence a primeira

Bem, não sou de fazer isso, na verdade sou bastante responsável com essas coisas e as ruas e estradas não são pistas de corrida, mas o fato é que eu venci minha primeira com o Red 5!  Vamos aos fatos:

Em primeiro lugar preciso apresentar o Red 5.  É esse aí da foto.  Já é conhecido dos visitantes do blog de longa data, é dele os faróis da foto do cabeçalho do blog.  O Red 5 é um Fiat Punto ELX 1.4 2009/2010 vermelho.  Segundo a Fiat, vermelho magma.

É um carro excelente.  Se alguém está pensando em comprar um carro para apenas ele e mais uma pessoa, que não precise muito de porta-malas e que goste de carro bonito, é uma boa pedida.  É um carro que chama atenção, e em cores quentes, como o vermelho, faz com que todos se virem para vê-lo.  O efeito é impressionante.

O apelido de Red 5 tem três fontes:  O red tá óbvio afinal o carro é vermelho.  o número 5 tem a explicação automobilística e a explicação nerd.  A automobilística é que Nigel Mansel enquanto correndo pela Williams usou o número 5 e este, eu seu caso específico era pintado em vermelho (os outros carros da Williams traziam os números em branco).  A Nerd é que Red 5 era o codinome do Luke Skywalker quando do ataque rebelde a estrela da morte.  E bem, um amigo meu, enquanto ainda pensava em comprar o carro apelidou minha empreitada de X-wing (o nome dos caças rebeldes em Star Wars) devido a uma complicada trama star-wariana que bolamos no trabalho.

Mas enfim, vamos aos fatos.  Vou reiterar que, não faço isso, hoje foi atípico e pedir para que não façam, pois é perigoso, ilegal e pode acabar com a sua vida.  Pois bem, tinha ido a faculdade do Senai na gloriosa localidade do Jacaré, Zona norte do Rio.  Quem conhece a cidade sabe que ali é um dos piores lugares para se estar.  A noite então nem se fala.

Era por volta das 22 h quando estava voltando para o Fundão.  Ora, nesse horário, naquela localidade você precisa ignorar todos os sinais de trânsito que existem.  Você reduz no cruzamento, olha para os lados e, se não vier ninguém, continua seu rumo.  E no meu caso específico que os sinais me odeiam (todos fecham para mim), é fazer isso direto a essa hora.

Pois fazer isso e ter que tomar conta de tudo a sua volta e manter uma velocidade razoável para fugir de possíveis bandidos injeta uma dose de adrenalina no corpo.  Tanto que, ao passar pelo Shopping Nova América peguei mais um sinal fechado e não reduzi.  Acelerei e passei no momento em que os outros carros aceleravam nas vias transversais.  Por pouco não ocorreu um acidente em que eu seria o único culpado e poderia ter morrido.

O caminho de volta pela linha amarela seguiu tranquilamente, até que eu entrasse no Fundão.  Ao entrar na ilha um Kadett seguia na minha frente, logo em seguida estava eu. e um Peugeot 206 vinha logo atrás.  Pensei em ultrapassar o Kadett logo após a curva do CCMN, na reta lateral do Cenpes, mas o kadett acelerou na mesma razão que eu, e deixei pra lá.

Chegando na rotatória do CT, o Kadett seguiu para dentro da ilha, provavelmente era um morador da Vila Residencial e eu fiz o retorno para seguir na direção do alojamento.  O Peugeot atrás me acompanhou.  Depois desse retorno, o que se segue no Fundão é a reta do Cenpes, uma longa e larga reta, bem pavimentada e sem trânsito algum naquele horário.  Resolvi testar a arrancada do Red 5, e saí do retorno em terceira, acelerando dentro da curva já saindo dela em quarta e ganhando velocidade.

Ao ronco alto que se seguiu, acho que o motorista do Peugeot entendeu como um desafio, embora não fosse.  Em momento algum o provoquei.  Mas, enquanto eu acelerava, ele resolveu me acompanhar e começou a ganhar velocidade também.  Ao chegar na curva do bandejão segurei um pouco no freio para fazer a curva e permitir que ele a fizesse e tivesse espaço para pegar o acesso para a linha vermelha a esquerda.  Não foi o que ele fez.  De fato, ele emparelhou comigo e tornamos a acelerar na grande curva do bandejão.

Já discutimos sobre isso algumas vezes no tempo de faculdade.  A ilha do Fundão seria perfeita para sediar uma corrida da Stock car.  O prejuízo ao trânsito seria mínimo e a pista seria rápida e larga com bastante espaço para o público também.  Ela só carece de um asfalto novo em algumas partes, mas enfim…

O fato é que eu e o Peugeot passamos lado a lado, eu na faixa do meio e ele na esquerda, com eu ligeiramente a frente trovejando pelo ponto de ônibus da Ed. Física (EEFD).  O ponto estava cheio de gente (não sei o que eles estavam fazendo ali até essa hora, mas tinha muito estudante da EEFD) e passamos por eles a 150 km/h

Imaginei que o Peugeot pegaria o retorno para a saída do corpo de bombeiros, mas ele continuou e nos aproximamos da curva que dá para o oval do alojamento.  Esta curva vira para a direita em noventa graus, a pista estreita, vem uma pequena reta, e depois uma curva de 180º para a esquerda antes do hangar.  Fazendo esta curva você cai na reta do Alojamento e, depois uma outra igual o leva para a “reta oposta”,  ou seguindo direto você vai para atrás do alojamento, onde o pessoal guarda os carros.

Quando rasgamos pela EEFD a adrenalina já ia a mil e quando vi que o Peugeot não pegara a saída do bombeiro, naquela alucinação pensei em como fazer a curva de 90º.  Quem freasse primeiro fatalmente perderia, mas eu ia a direita dele, tinha a vantagem do lado de  dentro da curva.  Deixei para frear no último instante, freei o mínimo que podia, reduzi de quinta para terceira e, fazendo a curva a moda Schumacher, deixando o carro espalhar para o lado de fora da curva para evitar que ele ocupasse aquela posição  a minha esquerda, o que lhe daria o lado de dentro da curva de 180º e a vitória certa.  Deu certo, eu saí mais tracionado que ele, fiz a curva seguinte por dentro e o deixei atrás de mim.

Na reta do alojamento ele reduziu e piscou os faróis provavelmente querendo uma revanche, mas para mim já era suficiente, e passei pelo ponto do alojamento triunfante.  Agora o Red 5 contava um GP e uma vitória.  O próximo, se Deus quiser, espero que demore bastante.  Mas acreditem em mim, a adrenalina domina você e só depois de feito, você percebe o tamanho da burrada que estava fazendo.  Mas não se arrepende pois, por alguns minutos você viveu intensamente.  Ou como diria o Galvão Bueno “com a faca nos dentes”…

Anúncios

Sobre Fernando Vieira

Engenheiro Mecânico. Trabalha no Rio mas mora em Petrópolis. Fez esse blog, pra comentar sobre tudo um pouco mesmo sem entender de nada.
Esse post foi publicado em Causos, Red 5 e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para O Red 5 vence a primeira

  1. Pingback: Um autódromo para o Rio de Janeiro | Blog do Fernando

  2. Pingback: A Williams FW 34 que não era a FW 34 | Blog do Fernando

  3. Pingback: As 5 músicas para NÃO se ouvir no carro | Blog do Fernando

  4. Pingback: Negociando com o Extra | Blog do Fernando

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s